Texto - Ditadura Camuflada


Resultado de imagem para ditadura
 A ditadura se instaura novamente no Brasil com o novo governo que assumirá no ano de 2019 a partir de primeiro de janeiro. Na realidade já vivemos em uma ditadura, porém camuflada em meio aos escurecimentos das mídias sociais. Como que podemos viver agora sem expressar o que sentimos ou pensamos? Na verdade, não se sabe nem o que pensar diante de tanta desmoralização da raça humana. O que acontecerá em outros tempos não sabemos, porém, caminhando como estamos e como as propostas foram postas, garanto que nosso caminhar não será muito longe, apenas de casa à escola – Para Brancos e Ricos -, quanto aos negros, pobres, moradores de favela, têm dois destinos: O caixão ou a cela. Nada mais. Tenho medo de não poder mais escrever o que eu acho do mundo. Tenho pena de minha geração, com apenas quinze anos de idade não posso ficar a noite toda na calçada conversando pois a qualquer momento chega um policial branco e manda circular dizendo que estamos planejando assalto. Ah se a humanidade fosse um pouco mais humanizada. Juro que não seria essa bagunça que é.
    Poderíamos andar sem medo pelas ruas das cidades, poderíamos sair e deixar o portão aberto, poderíamos dormir com todas as janelas abertas tomando assim uma fresquinha, poderíamos usar as roupas que queremos sem sermos taxados de mal caráter ou de ladrão, poderíamos falar o que quisermos, onde quisermos sem ninguém nos calar.
Este mundo que imagino não passa de um pensamento vão e vago que anda por meu coração semeando um pouco de esperança no planeta Terra. Por mais que minha mente não abra espaços para esses sentimentos, o coração com jeitinho abre as portas e os põe lá dentro. Não sei como que o mundo tomou esse rumo, mas sei que a única forma de tira-lo é amando. Amar sempre será a maior e melhor arma a se usar contra os inimigos reais e abstratos.
Não há nome, não há animotopônimo para dizer o que se passa no Brasil. Um clima de certeza e dúvida, porém o amor vai prevalecer sobre ele.



Feira de Santana, 22 de novembro de 2018-
MARCUS VINÍCIUS

Comentários

Anterior Proxima Página inicial